Associação médica dos EUA reconhece low carb como opção contra diabetes

Dieta com baixo consumo de carboidratos pode auxiliar pessoas com diabetes tipo 2
Dieta low carb Clube do Diabetes

De acordo com a nova diretriz da Associação Americana de Diabetes (ADA), o diabetes tipo 2 pode ser tratado com uma dieta low carb, ou seja, com o consumo moderado de carboidratos como os encontrados em pães e massas, por exemplo.

Publicado em abril deste ano, esse certificado tem sido usado como referência para combater essa condição que, na maioria das vezes, está relacionada à obesidade.

“As evidências científicas já estavam claras há muitos anos, mas havia uma resistência das associações em fazer esse endosso, em parte por ser algo popular. O que deve definir se algo é válido ou não é a popularidade, mas o nível de evidência”, relatou José C. Souto, médico e presidente da Associação Brasileira Low Carb, ao jornal Folha de S. Paulo.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, porém, ainda não se posicionou sobre o assunto. Mas seu presidente, Rodrigo Moreira, vê alguns problemas nessa nova diretriz americana.

“Não é um endosso. Não estão dizendo que é a melhor dieta contra o diabetes, estão apenas dizendo que é uma opção. Acho que nenhum endocrinologista discorda que é uma opção, mas não pode ter radicalismo.”, afirmou.

Moreira ainda alertou que são necessárias pesquisas mais aprofundadas e de longo prazo para se chegar a uma conclusão definitiva. “Temos vários estudos científicos com low carb. Há um benefício grande no curto prazo, mas que é difícil de ser sustentado. É uma opção possível, mas que deve ser acompanhada por nutricionista. Não dá para fazer por conta”, concluiu.  

Como funciona a dieta low carb

Em uma dieta low carb, a pessoa é restringida a comer de 45% a 55% de carboidratos durante o dia. O restante do cardápio é constituído apenas por proteínas, legumes e verduras.

Porém, essa dieta não é recomendada para grávidas, mulheres que estão tentando engravidar, pessoas com transtornos alimentares, pessoas com doenças renais ou pacientes que tomam gliflozinas. Fique atento!

O consumo de frutas por diabéticos também deve ser planejado: algumas frutas, como banana e manga, por exemplo, tem alto índice glicêmico. Além disso, tenha sempre à mão uma forma de fazer a contagem de carboidratos de um alimento. Clicando aqui, você confere uma seleção de aplicativos que fazem isso por você.


SIGA O INSTAGRAM @CLUBEDODIABETES