Atitudes para manter o diabetes tipo 2 longe de você

Confira hábitos básicos para manter o diabetes à distância

Atitudes para evitar o diabetes tipo 2 Clube do Diabetes

O diabetes tipo 2 engloba cerca de 90% dos casos diagnosticados da doença no mundo. E ele é aquele desenvolvido ao longo da vida. Isso significa que, muitas vezes, ele pode ser evitado! Trouxemos algumas atitudes que vão te ajudar a manter o diabetes lá longe e evitar muito estresse no futuro. Dê uma olhada nas dicas abaixo:

 

Acompanhe de perto seu estado de saúde

Não perca o hábito de fazer consultas de rotina com seu médico de confiança e sempre realizar exames de sangue. O número de diabéticos só tem crescido, tanto no Brasil quanto no mundo. E não é por alguma causa secreta.

Nosso estilo de vida tem se tornado cada vez mais sedentário. E nossa dieta, cada vez menos saudável — baseada no que traz mais prazer em menos tempo, muitas vezes entregues em nossa porta. Esta soma só pode resultar em uma coisa: aumento de peso. E este é um dos pilares do diabetes.

Como a doença não costuma apresentar sintomas, você pode muito bem estar com os níveis de glicose aumentados sem nem perceber! Ou seja, nada pode substituir os exames clínicos.

Agora, se você já foi diagnosticado com diabetes tipo 2, a medição constante é essencial. A frequência é adequada para cada paciente, de acordo com a recomendação médica. Por isso, converse com o seu médico, direitinho, sobre cada detalhe de seu tratamento.

Os médicos normalmente recomendam que se faça medições antes e duas horas após as refeições, antes das medicações e da aplicação de insulina e na hora de dormir. Alguns pacientes precisam medir sua glicemia de madrugada, dependendo de sua situação específica. Taxas de glicose mantidas na normalidade garantem uma qualidade de vida como se não houvesse diabetes. Mas não pode deixar de fazê-las, mesmo quando está se sentindo bem!

 

Aquele corpinho esbelto não é só estético!

As jornadas de trabalho só aumentam e o cansaço tende a aumentar junto. Ou seja, não é somente uma questão de preguiça que distancia as pessoas da atividade física. Mesmo assim, é importante não deixar de se cuidar.

Dos três fatores que causam o desenvolvimento do diabetes tipo 2, a tendência genética é o único que não podemos controlar. Os outros dois são o sedentarismo e o aumento do peso. Por isso, ter uma rotina de exercícios regrada é uma mão na roda para a manutenção de sua saúde. Ela controla dois dos três fatores básicos!

Mesmo que sua herança genética ganhe essa luta, não tem jeito. O tratamento vai sempre envolver atividade física e a alimentação balanceada.

Aproveite que você tem uma razão importante para perder peso e se mexa! Você vai ver como sua vida vai melhorar em vários aspectos. Além de emagrecer, os exercícios liberam endorfina. Além de se sentir feliz só com esse aspecto, você vai deixar de sentir que só vive para trabalhar. Além disso, eles vão ajudar na qualidade do seu sono, outra questão importante para o diabetes tipo 2.

 

Tenha calma

Não é raro que o estresse seja culpado por agravar problemas de saúde. E o diabetes não é exceção. A ansiedade é um dos principais males do século e ela precisa ser enfrentada com determinação.

É verdade que o estresse mexe com as taxas de açúcar no sangue. Mas isso é só o começo. Ele causa a produção de hormônios que favorecem o acúmulo de gordura no corpo, principalmente na região abdominal. Esta, por sua vez, atrapalha a ação da insulina. Sem absorver devidamente a glicose dos alimentos, engordamos ainda mais. É uma bola de neve!

Outra condição que aparece com o estresse e ansiedade é a insônia. Quanto menos dormimos, mais estressados ficamos. Quanto mais estressados, menos dormimos. Sem dormir, a fome aparece. Atacamos a geladeira. Quem come uma maçã de madrugada? Ninguém! Já viu outro padrão, né?

Por isso, faça tudo ao seu alcance para manter a calma. A prática de exercícios pode ajudar, mas considere o acompanhamento psicológico se for necessário.

 

Tabagismo

Que fumar faz mal, também não é nenhum mistério. Mas vamos explicar o motivo específico para o diabetes. A nicotina afeta diretamente a concentração de glicose no sangue, além de reduzir a velocidade de ação da insulina.

Os riscos mais conhecidos do tabagismo, como o de AVC, infarto e insuficiência renal, são muito maiores combinados ao diabetes tipo 2. Isso porque o distúrbio, em si, já aumenta a incidência dessas questões.

Por isso, se você suspeita de diabetes ou já foi diagnosticado, fumar realmente não é uma boa ideia!


SIGA O INSTAGRAM @CLUBEDODIABETES