Diabetes e a vida sexual de homens e mulheres

O diabetes pode modificar a vida de alguém de muitas formas: na cicatrização da pele, na adoção de hábitos alimentares mais rigorosos e, até mesmo, na vida sexual. Inclusive, a dúvida sobre a relação entre diabetes e disfunção erétil existe. Mas, por ser ainda ser um tabu, o assunto é pouco tratado em sociedade.

E vale dizer: os homens não são os únicos afetados pelo diabetes quando o assunto é problema sexuaL, uma vez que as mulheres com nível de açúcar mais alto do que o normal têm mais probabilidade de terem falta de libido e secura vaginal, por exemplo.vida

Por isso, é importante entender como o diabetes pode atrapalhar a sua vida sexual e os possíveis tratamentos para evitar qualquer tipo de problema.

Homens: disfunção erétil

Dados de uma pesquisa realizada pelo Centro de Referência em Saúde do Homem, da Secretaria de Estado da Saúde em parceria com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), mostraram que 35% dos homens que fazem tratamento para disfunção erétil na unidade são diabéticos.

Com isso, é possível perceber que sim, o diabetes não cuidado pode causar problemas para a vida sexual dos homens. Isso acontece porque para haver uma ereção peniana são necessários três estímulos: emocional, da circulação sanguínea e dos nervos. A falta de tratamento adequado para o diabetes pode causar um estreitamento das artérias e diminuir a circulação do sangue o que acarreta na dificuldade ou falta de ereção.

Outra questão é que pessoas com diabetes são mais propensas a apresentar quadros de depressão, gerando uma falta de motivação emocional. Dessa forma, sem esses três estímulos, a tendência é de que haja disfunção erétil.

Mulheres: falta de libido

Na mulher, são afetados processos importantes na função sexual, como a vasodilatação e a vasoconstrição, já que o diabetes afeta toda a estrutura dos vasos sanguíneos, inclusive a camada de revestimento interno do útero, o endométrio.

Além disso, o excesso de glicose no sangue pode fazer com que infecções vaginais apareçam com mais frequência e que haja uma propensão à secura vaginal. Com isso, a probabilidade é de que as mulheres sintam mais dores no ato sexual e que tentam dificuldade em atingir o orgasmo.

Como evitar

Para evitar que o diabetes seja um vilão na sua vida sexual, é preciso estar sempre em dia com os exames e consultas. Caso haja alguma dificuldade ou anormalidade, o mais indicado é que entre em contato diretamente com seu médico de confiança, além de um urologista ou ginecologista, para que o problema seja solucionado o mais rápido possível.

Evitar o consumo de álcool e eliminar hábitos como o tabagismo é importante, pois são fatores de grande participação nos problemas de desempenho sexual. Além disso, é claro, é necessário dar uma atenção maior aos níveis de glicose e de hormônios produzidos pelo corpo para manter o equilíbrio da saúde e da vida sexual.


SIGA O INSTAGRAM @CLUBEDODIABETES