Entenda melhor a relação entre o Diabetes tipo 2 e a Hepatite C

Tem início essa semana uma campanha que terá a o apoio da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) , destacando a importância do exame gratuito que destaca a hepatite C. Pacientes com a doença tem quatro vezes mais chance de desenvolver o Diabetes Tipo 2.

Foto: napontadodedo.com

Atualmente o Brasil possui cerca de 2 milhões de portadores do vírus da Hepatite C. Cerca de 70% desconhecem que têm o vírus e apenas 10% foram tratados.

Estudos mostram que p vírus da Hepatite C – adquirida principalmente pelo contato do sangue contaminado – pode gerar alterações no mecanismo de atuação da insulina, impedindo que o metabolismo da glicose seja regulado. Com isso, pacientes com essas alterações apresentam quase quatro vezes mais de desenvolver Diabetes Tipo 2.

Com o objetivo de mudar esse cenário, a Gilead Brasil ( empresa biofarmacêutica americana) , com o apoio das Sociedades Brasileiras de Diabetes (SBD), Hepatologia (SBH) e Infectologia (SBI) lançam a campanha nacional “Na ponta o dedo – faça o exame. Por trás do Diabetes tipo 2 pode estar a hepatite C” . O objetivo principal é estimular a realização do exame e a conscientização da população.

Por ser uma doença que, em sua grande maioria, não apresenta sintomas, o diagnóstico só pode ser feito por exame de sangue, ou quando a doença já está avançada. Uma vez identificado – através do anti-HCV – deve-se iniciar o tratamento nas primeiras fases da enfermidade.

A relação com o Diabetes Melittus Tipo 2

De acordo com o presidente da SBD, Dr. Luiz Turatti, um paciente com Hepatite C tem até 4 vezes mais chances de desenvolver o Diabetes tipo 2. Isso pode ser evitado com o diagnóstico do tratamento nas primeiras fases da doença.

O teste anti – HCV é gratuito e está disponível em toda a rede SUS e é totalmente gratuito.

Além de ter quatro vezes mais chances de desenvolver o Diabetes, pacientes com Hepatite C têm maior propensão de desenvolver câncer de fígado, cirrose e doenças cardiovasculares quando não tratados de forma adequada.

Saiba mais sobre a campanha www.napontadodedo.com

Algumas informações relevantes sobre os números ( alarmantes) da Hepatite C:

  • Cerca de 80% das pessoas que tem a hepatite C não sabem que tem o problema, já quen, na maioria dos casos ela é assintomática
  • A evolução da doença leva cerca de 20 a 25 anos para chegar ao estagio mais avançado
  • O número de mortes ocasionadas pela Hepatite C em todo mundo estão se aproximando aos números da tuberculose
  • Menos de 15% dos pacientes são diagnosticados, menos de 10% são tratados, menos de 5% curados e apenas 1% tem o tratamento efetivo

E qual é a vantagem de o paciente descobrir que possui o vírus da hepatite C e/ ou Diabetes?

Os pacientes que foram tratados tiveram menos complicações que os tratados, como complicações renais , cardiovasculares . Hoje existem cerca de 12 milhões de portadores de Diabetes Tipo 2 no Brasil e cerca de 2 milhões com Hepatite C.

Com o diagnóstico precoce da doença, é possível, além de controla-la e obter a cura, impedir os avanços de complicações já citadas. Ah! E vale ressaltar que pessoas que estão acima do peso tem a chance ainda mais aumentadas de complicações da doença.

O tratamento atual é seguro?

 De acordo com os médicos Dr. Fabio Marinho e Dr. Edson Parise, hoje o tratamento da Hepatite C evoluiu muito. Ao contrario de anos atrás, em que as medicações desencadeavam   fortes efeitos colaterais, hoje eles são mínimos.

Além disso, o tratamento pode ser feito em todos os estágios da hepatite: seja ele na fase inicial ( infecção) , hepatite crônica e até a fase da cirrose, tiveram bons resultados com o tratamento adequado, feito com os medicamentos indicados pelo especialista.

Com essas informações, vale ficar atento e conversar com sem médico sobre o assunto! Cuide-se!

Vale lembrar que esta semana vão acontecer mutirões para o exame que diagnostica a Hepatite C, o anti – HCV. Saiba mais clicando aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© Copyright – 2015 Clube do Diabetes. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: mufasa